domingo, 1 de março de 2015

Os invertebrados...

                                                               os siameses ibéricos
Durante o período de inactividade deste blogue, aconteceram eleições na Grécia. Pelo cansaço do povo, nasceu uma coligação essencialmente de esquerda que tem vindo a procurar/negociar junto de Bruxelas melhores condições para o pagamento da dívida. Lá como cá, a verdade é que a crise foi declarada para salvar os bancos e "distintos" traseiros dos seus donos. Aqui, apesar do beneplácito do desgoverno, dum PR amorfo e dum presidente do BP pouco vigilante ou pouco cooperante com os pequenos depositantes, um banco não se safou. Só o banco, porque os gestores, esses estão na maior. Nada a que não tenhamos já assistido no caso do BPN, precisamente com a mesma laia de privilegiados... 
Voltando à Grécia, as negociações com Bruxelas foram duras para conseguirem um apoio económico durante mais 4 meses, ganhando tempo para definirem claramente objectivos e estratégias. O que chocou quem por cá também está atolado em medidas austeritárias e continua a penar com falta de emprego, baixos salários, negação de apoios sociais, fome, falências e sucessivos roubos em vencimentos e pensões de reforma (que durante uns escassos meses serão aliviados graças às eleições que se avizinham), foi o facto da ministra das finanças (e respectivo cu-mandante!), juntamente com os homólogo espanhol, fazerem um pacto com quem nos aperta o garrote - a Alemanha, dificultando a vida ao novo governo grego. Por cá os vassalos ibéricos de Wolfgang Schauble bem o negaram, mas o seu acto de "caridadezinha" foi, e muito bem, posto a nú por Alexis Tsipras e Yanis Varoufakis.  Hoje, pode ler-se que o nazi de serviço mandou calar os governantes gregos. Veremos se são "obedientes", mas duvido!!!... 


2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

A loira está a perguntar-lhe a medida?

maria mar disse...

provavelmente!!!...
:) :) :)