sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Os gatunos compulsivos também se abatem...


Lagarde, directora-geral do FMI, afirmou em Tóquio que "reduzir a dívida é incrivelmente difícil sem crescimento". Depois das medidas surgidas nos media em relação à brutal, insana e despudorada subida do aumento dos impostos, nomeadamente do IRS, quero ver como se restaura o crescimento neste País. Resumidamente, os portugueses irão trabalhar para entregar a maior fatia dos seus vencimentos ao ladrão estado que, supostamente, deveria ser "pessoa de bem", mas que entra pela casa dos cidadãos e lhes rouba o que é seu, impedindo-os de manterem filhos a estudar, de os alimentar, vestir e calçar condignamente, roubando-lhes a dignidade. A classe média desaparece e, com ela muitos pequenos postos de trabalho domésticos, as poupanças, o turismo interno, a restauração, o comércio tradicional, enfim, tudo o que a ela estava relacionado. O garrote é colocado no pescoço de todos os que precisam de se deslocar diariamente para os seus empregos com o aumento inqualificável dos impostos sobre os combustíveis. Os que circulam por lazer, deixarão de o fazer. A visível contracção da economia que as deslocações em viatura própria sustentam  - oficinas, venda de peças para viaturas e substituição das mesmas, farão com que a insegurança volte às estradas e, as viaturas em circulação equiparar-se-ão em degradação aos níveis dos anos sessenta, com a respectiva contracção também nesta área. Sobre os aposentados, para além do desconto que penalizará os que ganham mais uns pózitos que os 1350€, o aumento de todos os outros impostos impedirá a ajuda aos seus descendentes, muitos deles casados e em aflitivas situações de desemprego, com filhos também a sustentar. Para onde caminha este País? Quem tem mão nesta pouca vergonha? Quem tem vontade de investir numa economia onde a maior fatia dos lucros passam para a mão do estado? Como querem equilibrar a situação das empresas nacionais se cerca de 90% produz exclusivamente para consumo interno e as famílias irão deixar de comprar? Estas bestas não vêem que estão a aplicar mais do mesmo (como no presente ano civil), e que essa política económica(?) se revelou um fiasco??? E ainda diz Lagarde que "é preciso deitar a crise para trás das costas"!!! Isso é bom para ela e para todos os que vivem da miséria dos povos, comem e passeiam à custa do que é dos outros. Já agora, venha a Portugal dizer isso ao PM e ao mandatário do Banco Europeu no desgoverno português.
Está a acontecer por cá precisamente o mesmo que na Grécia e, depois de verem que não resultou, a seita que nos desgoverna não passa de uma manada de bestas com palas nos olhos. De uma forma ou de outra, os gatunos compulsivos também se abatem!....

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Soube há pouco que o deputado europeu Nuno Melo fez um requerimento para saber quais as consequências efectivas destas declarações de Lagarde.
O mais provável é receber , daqui a um mês, uma resposta esquizofrénica.
Bom fds

mlu disse...

Esta acordou agora ou tem estado "fora"? Até arranjou um fatinho mais bonito para vir anunciar a "pólvora" que descobriu! Oxalá não lhe rebente nas mãos, se bem que, para ela, a saúde não "está pela hora da morte", como para nós!

Bjs.