segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Por mim...

 
Aqui em terras lusas as realidades são outras, adversas a todo um povo, daí que D. Januário Torgal Ferreira tenha sido o primeiro bispo a levantar a voz contra as atrocidades que o desgoverno anda a fazer a este povo. Começou por fazê-lo em nome individual, depois enquanto bispo da ICAR, seguindo-se-lhe os restantes bispos (mal parecia!). Quando bem entende, D. Januário continua a levantar bem alto a sua voz, em nome daqueles que o não podem fazer.
Em terras merkelianas a coisa é mais fina, não é necessário os bispos defenderem a plebe mas, como a crise de valores também por lá se generalizou com a descrença no clero, levou os bispos a fazerem vir ao de cima aquela "virose" igual á da "patroa" e, vai daí, toca de taxarem todos os católicos, protestantes e judeus, obrigando-os a pagar 8% sobre os rendimentos, prometendo negar a comunhão ou o funeral a todos os que não paguem esse imposto. Cá por mim, não estaria nada raladinha se lá vivesse, era o que mais faltava, pagar mais 8% de impostos depois de fazerem chantagem psico/religiosa comigo. Ainda gostava que alguma dessas "almas caridosas" me informasse qual foi o profeta que disse que os actos decorrentes dos Sagrados Sacramentos têm de ser previa ou posteriormente pagos/taxados, ou que podem ser negados (ou se calhar hipotecados...a que finanças?) por falta de liquidez do cristão/pagante. Por estas e por outras é que muitos fogem destas "bençãos" pré-pagas, como os carregamentos do meu telemóvel.

2 comentários:

mlu disse...

E muitos mais vão fugir, com esta medida idiota e injusta!
Não sabia desta, só li o artigo aqui e fiquei espantada! E os mais pobres? E os mais tristes? E os sem paz? E...e...e...Tantas coisas em que a igreja tem que meditar e tentar ajudar!

Bjs.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Essa é uma prática antiga na Alemanha. Tinha um cunhado que foi para lá viver ainda nos anos 60 e, para ver se se livrava de pagar, disse que era ateu. Areependeu-se, porque ainda teve de pagar uma taxa maior para o Estado.
(Pelo menos foi isso qu ele me contou...)
Beijo