terça-feira, 13 de agosto de 2013

Democracia?!....

 
Não se sabe bem onde pára, mas fugiu de Portugal, emigrou como tantos. A seita ordenou aos organismos públicos que começassem a enviar cartas com as condições de rescisão para os respectivos funcionários públicos. PR de férias (deu hoje sinais de vida....), sem a lei ainda aprovada e/ou promulgada, as ilegalidades continuam com o seu beneplácito. Os sindicatos...dizem-se traídos mas nao participam dos ladrões engravatados e das suas ilegalidades ao tribunal competente. Estamos entregues a gente sem escrúpulos e sem noção de legalidade e respeito pelo próximo. Gentalha ao serviço daqueles que mandam na troika e que nada têm a ver com os interesses do povo que neles acreditou e elegeu. Enganados, é certo, mas deviam saber que entre os  seus eleitores se encontra a fina flor dos corruptos da banca (BPN & Compª) e, esses sim, há que protegê-los!...
Post Scriptum: Hoje, pela voz do ministro da moda Poiares Maduro) e, depois do ruído da notícia, surgiu o esclarecimento de que as cartas são meramente informativas.... Por mim, no lugar dos funcionários, dispensaria esse tipo de informação, mas pelo andar da carruagem qualquer dia receberei também uma carta da seita a informar-me que estou dispensada de viver.
 
A propósito do que escrevi, acabei de encontrar um texto de Dieter Dellinger:
"Estas são as férias de TERROR dos funcionários públicos no ativo e na reforma.
Nunca na História uma classe foi tão massacrada e torturada como o funcionalismo público hoje em Portugal.
Os jornais revelam cartas de despedimento, passagens para a mobilidade, transferências para grandes distâncias de casa, cortes salariais e o corte brutal de 10% nas reformas de todos os funcionários a acrescentar ao corte deste ano denominado contribuição especial de solidariedade, aplicado também aos privados, e ao aumento desmesurado do IRS também para todos os cidadãos.
Este governo, seguindo as altas instruções teutónicas da bruxa de Berlim está a retirar aos portugueses o pouco que lhes resta.
Saliente-se que há os aumentos de renda e de taxas e impostos diversas, de eletricidade, gás e água, taxas de aeroporto (os franceses querem reaver o dinheiro que investiram na ANA, apesar de terem comprado baratíssimo). Enfim já não vale a pena ser FP e nem trabalhar no País. Emigrar foi o conselho dado por Passos Coelho."

5 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Somos perseguidos e penalizados como se fôssemos malfeitores! :-((

Abraço

maria mar disse...

É verdade, parece que não contribuímos com qualquer tipo de imposto para nada. É a máxima de "dividir para reinar"....

mlu disse...

E mascaram as intenções com a conversa de um Pedro (L)Tomba que faria melhor figura ficando calado e tombando dali para fora, dum tempo de antena absolutamente mal empregado!

Beijinhos!

mlu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ainda agora vi a Teresa Caeiro a defender veementemente o corte das pesões dos privilegiados funcionários públicos. E o Fazenda, não teve um argumento para a contrariar. Esta esquerda é um mimo!